A melhor altura
para ir à República Dominicana

Descubra a melhor altura para ir à República Dominicana de acordo com os seus desejos!

Se viajar para a República Dominicana, quando partir é uma questão crucial porque, dependendo da época do ano, o país acolhe inúmeras festividades e fenómenos naturais que encantam os viajantes curiosos. Quer se trate da observação da vida selvagem ou da celebração de uma festa sazonal com os dominicanos, o país tem muitas surpresas à sua espera.

ENCONTRO MARCADO EM HIGÜEY PARA CELEBRAR O DIA DA VIRGEN DE LA ALTAGRACIA!

Qual a melhor altura para visitar a República Dominicana se gosta da atmosfera festiva? Se bem que, como é óbvio, possa ir quando quiser, a melhor altura para o fazer é no início do ano. Em particular, no dia 21 de janeiro, o dia em que a Virgen de la Altagracia é adorada pelo povo dominicano.

Todo o país está em festa neste dia especial, mas principalmente em Higüey onde se encontra a basílica de la Altagracia.
Uma peregrinação impressionante tem lugar em frente à imponente basílica, ao som de música popular. Reserve algum tempo para observar este edifício com o seu arco de 80 metros de altura e o seu imenso carrilhão, o maior da América Latina!

Embora a cidade seja por si só apelativa, experimente passear nas praias da Costa dos Coqueiros: sumptuosas praias de areia branca e água cristalina.
Para uma imersão mais profunda na cultura local, dirija-se para a pequena aldeia tradicional de Cortecito, a menos de uma hora de Higüey. Aqui pode adquirir lembranças nos mercados de artesanato, que vendem pinturas haitianas, esculturas de cerâmica e outros objetos tradicionais do artesanato dominicano.

Sabia que...

A sul de Higüey encontra-se o Parque Nacional Del Este, conhecido como o mais importante centro arqueológico dedicado ao povo Taino, a mais antiga civilização das Caraíbas descoberta por Cristóvão Colombo em 1492. Poderá caminhar por um caminho sombreado pontuado por cenografias em tamanho real que representam a vida deste grupo étnico antes do período de colonização.

Os nossos resorts na República Dominicana

CARNAVAL, A FESTA DO ANO

Se está a pensar em qual seria a melhor altura para visitar a República Dominicana e viver um momento único e sagrado para este povo, porque não ir em fevereiro?

Em memória do Dia da Independência, o dia 27 de fevereiro de 1944, o país inteiro veste-se com máscaras e fatos e dança ao som de músicas populares com influências espanholas e africanas. Para onde quer que vá, será sem dúvida contaminado pelo bom humor coletivo do mês de fevereiro na República Dominicana.

Cada cidade tem as suas próprias tradições com as suas próprias máscaras, fatos e personagens.
Em San Pedro de Macoris, por exemplo, os Guyolas (personagens tradicionais das Caraíbas) desfilam em trajes com pequenos espelhos ao som vibrante dos tambores.

Pode também assistir ao cortejo dos Cocolos, descendentes de ex-escravos que executam uma peça de teatro e dança. Histórias famosas, tais como David e Golias ou Cowboys e Índios, são assim readaptadas. É verdadeiramente impressionante ver esta procissão de cores tendo como pano de fundo mansões ricas do século XIX.

Para recuperar das emoções, dirija-se para o malecón, um encantador caminho à beira-mar pontuado pelo som das merengues*. Para melhor apreciar a vida noturna das Caraíbas, desfrute de um jantar delicioso com sabores locais mesmo sobre a água.

QUANDO OBSERVAR AS BALEIAS NA REPÚBLICA DOMINICANA?

Desde finais de dezembro a março, a Baía de Samana acolhe um impressionante desfile de baleias durante a época de acasalamento.

Com partida em Punta Cana, embarcamos numa incrível aventura: abra bem os olhos (ou os binóculos) e observe o jogo de sedução destes gigantescos cetáceos batendo as caudas, num espetáculo de dança inesquecível.
Centenas de baleias mergulham nas águas quentes da baía nesta época para dar à luz.

Para além disso, terá a oportunidade de nadar numa das mais belas praias da República Dominicana: areia limpa, mar turquesa claro, coqueiros... Se o tempo permitir, perca-se na imensa reserva natural que constitui a Península de Samana, onde tartarugas marinhas e aves de todos os tipos vivem juntas no meio de florestas luxuriantes, lar de uma multidão de rios e quedas de água.
Ao longe, verá a cordilheira de Samaná, que parece rasgar os céus e mergulha abruptamente no mar. Um pequeno canto do paraíso.

Também vai gostar...